Nos questionamos em certas situações se alguma atitude não condiz com a nossa idade. Li certa vez uma frase nesse sentido: “Não sei como me comportar nessa idade pois nunca tive essa idade antes!”. Se agimos de maneira não esperada pelas pessoas ao entorno ou não correspondemos às expectativas, nos colocamos como alvos do julgamento. Às vezes interpretamos essas situações como um ERRO e nos martirizamos por um longo tempo 😒.

É errado ser eu mesma???

Costumo usar o senso de humor para lidar com alguns dos meus “estabanos“. Certa vez pedi um sanduíche e uma salada no Mcdonalds e sentei nas mesinhas da lanchonete com a minha bandeja para comer, rodeada por mesas lotadas de gente. Coloquei-me a preparar a salada. Abri a tampa da embalagem plástica, coloquei o molho e a fechei novamente. Quando comecei a chacoalhar o recipiente para misturar, não me dei conta que não havia fechado bem a tampa. Imaginem a chuva de alface voando, espalhado por toda a mesa e todos os olhares para a desajeitada que vos fala (e meu marido estava comigo 😜). Caí na gargalhada 😂, recolhi tudo e limpei o que foi possível para finalmente comer meu lanche.

Em outro momento, pedi um cafezinho ☕ na padaria para mim e um capuccino para a minha filha. Abri o saquinho de açúcar para adoçar as bebidas e quando ela provou, quase devolveu tudo na xícara. Tinha aberto o saquinho de sal!

Já dei de cara em portas de vidro fechadas pensando que estavam abertas tanto em casa quanto na agência bancária. E falando em banco, não faz muito tempo que enrosquei a minha mão direita na porta giratória quando saía da agência. O segurança foi na hora me acudir. Imagine a cena! Eu não sabia se ria ou se chorava 😰(apertou os meus dedinhos, aff!). Saí rindo e aliviada…

Quando estou surtando com as atividades de casa e com a procrastinação dos meus filhos costumo proferir frases como essas:

“Desliga esse livro menino!”

“Coloca o uniforme de dormir e vai para a cama, agora!”

Gosto muito de comemorar meu aniversário 🎂 com direito a balões, bolo e a vela. Não tenho o menor problema em confessar a minha idade e acendo a vela com os números sem nenhum constrangimento. Costumo reproduzir aquelas festinhas que íamos quando crianças nas quais falavam que seria “só um bolinho para a família” e chegando no local havia gente saindo pelas janelas (risos). Era tudo muito simples e preparado pelas próprias famílias, porém a alegria reinava naqueles momentos de confraternização. Pretendo manter essa tradição e não me importo em escutar julgamentos com argumentos equivocados de que estou “muito velha para esse tipo de coisa” ou estou sendo “ridícula por me comportar desta maneira“. Essas pessoas ainda não compreenderam que não se trata de um erro e sim de outra maneira de enxergar a vida.

Minha festa de aniversário em casa quando completei 42 anos (Tema: Mulher Maravilha)

Recentemente, terminei a leitura de um livro 📚 que escolhi motivada por um sonho! (Que loucura! risos). No sonho, uma pessoa me entregava um livro de capa ilustrada com a figura de um cérebro todo colorido. Quando acordei, registrei no caderninho de ideias (falei sobre ele em um post anterior) e mais tarde, pesquisei por imagens no Google. Então, achei o tal livro!!! Li sobre o tema e pensei: É esse! Comprei pela internet. Quando o pacote chegou em casa, deixei um pouco de lado o romance que estava lendo e logo iniciei a leitura de Mindset da autora Carol S. Dweck. A autora da obra é professora de psicologia da Universidade de Stanford e especialista em personalidade, psicologia social e do desenvolvimento. A linguagem simples e direta, além de muitos exemplos da vida diária de diferentes pessoas como estudantes, professores, casais, chefes e treinadores tornou a leitura imediatamente aplicável à mim (e acredito que à você também).

Posso citar alguns dos pontos relevantes que destaquei enquanto estava lendo:

  • “Mindset” é a atitude mental com que encaramos a vida. Há pessoas com predominância do tipo de mindset fixo e há outras inclinadas à um mindset de crescimento.
  • A disposição para crescer é a verdadeira autoconfiança. É a coragem de se abrir.
  • A preocupação com o fato de sermos julgados prejudica o processo de crescimento pessoal.
  • É inútil querer provar que você é melhor que as demais pessoas.
  • Sucesso é fazer o melhor possível!

“As realizações importantes exigem concentração, esforço total e um baú cheio de estratégias”

Carol Dweck – Mindset

Para saber mais sobre o livro dê uma olhadinha clicando na imagem abaixo 👇

Embora nesse ponto da nossa vida fiquemos mais críticos ou exigentes com certas coisas, por outro lado também somos expostos à novas criticas e julgamentos, principalmente o autojulgamento. Esquece isso, colega! (releia os pontos relevantes acima e siga os conselhos da psicóloga). Está tudo bem!

Não precisamos dar conta de tudo. Errar não é fracassar. Pelo contrário, é com o erro (nosso ou dos outros) que a gente aprende. É a nossa oportunidade de recomeçar à partir da correção de um engano e de nos esforçarmos um pouco mais a buscarmos novas estratégias para lidar com situações semelhantes. Fracasso não tem nada a ver com falta de sorte e sucesso não tem nada a ver com algum dom para se fazer algo. A responsabilidade pelas ações que nos levam ao sucesso ou ao fracasso é toda nossa!

Pausa para a música do post! A música escolhida para o tema desse texto foi 👉 Mistakes dos grupos Melody Noel & Influence Music. Clique no nome da música e aproveite.

🎧 Audioblog 🎧

Audioblog: Lidando com o erro. 19/04/2020

Nessa altura da nossa reflexão sobre “erros”, me remeti ao conceito de resiliência – uma palavra que se torna amplamente usada em tempos catastróficos. Significa superar obstáculos, adaptar-se e lidar com os problemas (causados por nossos erros ou de outras pessoas). O que não pode é paralisar ou simplesmente fazer papel de vítima e se justificar dizendo “isso é uma fatalidade”, “eu não posso fazer nada“). Podemos muito bem aprender com as experiências negativas, porém não temos que ser negativos! A visão realista, com uma pitada de otimismo, nos torna mais flexíveis. Aceitar ajuda de quem sabe mais não é vergonha nenhuma. A mudança faz parte da vida e para crescer (e aparecer, risos) é preciso aceitar o erro e seguir adiante. Certa vez, li a seguinte frase:

“Qual é o sentido da vida? O sentido da vida é para frente! “

Então vamos para frente com o site Cresce e Aparece! Te espero no próximo domingo!

Beijos 😘

Ps* O resultado da Enquete do post anterior Qual tema do site Cresce e Aparece! (o blog sobre meia-idade feminina) você mais gosta?” foi o seguinte: 66,5% das (os) leitoras (es) escolheram o tema “Reinventando a vida” e 33,5% escolheram “Coisas interessantes (Dicas, atualidades)“. Atenderei as sugestões e com a sua ajuda pretendo produzir posts cada vez mais relevantes!

Até mais!!!

8 comentários sobre “Lidando com o erro

  1. Priscila, legal essa sua experiência com o sonho. Sidarta Ribeiro fala q isso é possível e interpreta…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s